• Viagem Sem Escalas

As sete delícias capitais de Lisboa

Atualizado: Out 9

Portugal é, sem dúvida, uma das maiores paixões dos brasileiros que se aventuram em descobrir os encantos da Europa. O Viagem Sem Escalas parte para uma aventura na capital portuguesa mais brasileira do mundo. Não faltam segredos: pontos turísticos com centenas de anos, ruelas que são verdadeiros paraísos, museus cheios de história e restaurantes que parecem unir o melhor da gastronomia mundial com aquele tempero português. Mais de 500 anos depois de Portugal chegar ao Brasil, não é à toa que os brasileiros estão agora a descobrir Portugal. Mas você sabe quais são as sete delícias capitais da capital portuguesa de Lisboa? Vem Viajar conosco nessa aventura sem escalas!

Começamos nossa descoberta pelo Castelo de São Jorge, na área central de Lisboa. Trata-se do ponto turístico mais famoso de Portugal, que deve receber mais de dois milhões de turistas por ano. Lá tem um pouco de tudo: bela vista, forte, sítio arqueológico e restante. Passeio ideal para passar parte do dia. O castelo recebe esse nome em homenagem ao santo padroeiro dos cavaleiros. O passeio pelo castelo - construído pelos muçulmanos no século XI - é super bacana e revela as histórias das invasões em Portugal. Passear pelo Castelo é sinônimo de muitas atividades. Isso porque o visitante pode fazer várias visitas guiadas e de graça. É só ver os horários e os idiomas na bilheteria. Um dos pontos altos do Castelo é a visita aos sítios arqueológicos, descobertos por acaso durante uma obra de estacionamento. Nas escavações foram descobertos vestígios até da Idade do Ferro! Descobriu-se ainda que o local abrigou um palácio muçulmano nos séculos passados. Prova de que povos antigos já buscavam refúgio no alto da colina.

Mas como estamos a descobrir os mistérios de Portugal não poderíamos deixar de ir no marco da cidade. Andando pela orla do Rio Tejo há o monumento histórico Padrão dos Descobrimentos. Construído nos anos de 1960, o Padrão dos Descobrimentos tem um formato de caravela - com os grandes navegadores esculpidos. É lindo demais! A ideia foi fazer uma homenagem aos tempos da navegação do império português. Na entrada do monumento, existe uma linda Rosa dos Ventos no chão, onde o Viagem Sem Escalas fez muitas fotos. O Padrão dos Descobrimentos oferece ainda uma visita a seu interior, onde é possível ter uma vista panorâmica de Lisboa.

Depois de conhecer um castelo e um momento simbólico, não poderíamos deixar de fora da lista um palácio, não? E, sim, em Lisboa, há o suntuoso Palácio Nacional da Ajuda, em Belém. Entrar no palácio-museu é entender como funcionavam as mansões antigamente: um recinto ao lado do outro, ligado por enormes e extensos corredores. No palácio, a família real de Portugal morou durante 20 anos, após o grande terremoto do fim do século XVIII. Depois surgiu a ideia de fazer um novo projeto para o Palácio, mas, por conta das invasões francesas à Portugal, o projeto não foi adiante. Algumas décadas depois a expansão foi abandonada de forma definitiva por questões financeiras. E até hoje é possível ver a parte do prédio inacabado e suas esculturas na entrada do Palácio, simbolizando a gratidão e generosidade.

Lisboa também respira arte. Quem é fã da obra de Hieronymus Bosch não pode deixar de conferir o Museu Nacional de Arte Antiga. É um sacrilégio não conhecer esse belo espaço. Com um grande acervo de obras sacras, o maior tesouro desse museu é o tríptico das Tentações de Santo Antão, Prisão de Cristo e Caminho do Calvário. O tríptico integra os quatro elementos do Universo (céu, terra, água e fogo). No tríptico encontra-se a tentação e a solidão do homem perante o mal, expressada em uma falsa e provocadora beleza e que domina o mundo terreno. Nas faces internas, o tríptico mostra os passos de Santo Antão, tentado e seduzido pelos demônios até encontrar o caminho para a salvação. Nas faces externas, figuras populares perturbam o caminho de Cristo, da prisão até ao Calvário, acentuando um domínio generalizado do mal.Amamos esse mestre da pintura!Mas consulte antes o museu se a pintura está em exposição. E vale cade minuto gasto, já que ainda há esculturas do Século XIX e outras pinturas dos mais variados artistas.

E a gastronomia, obviamente, não podia ficar de fora.

O doce mais famoso de Portugal é o Pastel de Belém. Mas esse nome só é possível apenas no restaurante que leva o nome do doce - a loja chama-se Pastéis de Belém - e que fica no bairro de Belém, em Portugal. Fora dali, o mesmo doce chama-se Pasteis de Nata. Por isso, parada obrigatória é ir até lá e provar uma dessas delícias. Pode-se comer o doce no balcão ou tentar uma cadeira dentro do salão. Mas é preciso paciência: a casa está sempre lotada.

A história de Lisboa também pode ser percebida pelos seus aquedutos. Influência romana, eles estão por toda Portugal. Uma dica um pouco fora do circuito tradicional dos turistas é visitar o Museu da Água - Reservatório da Mãe d´Água das Amoreiras. A visita já começa do lado de fora, com um conjunto de monumentos e edifícios, construídos entre os séculos XVIII e XIX, que representam um importante capítulo da história do abastecimento de água à cidade de Lisboa. Visitar o local é respirar a história. O museu fica perto do shopping Amoreiras e da Igreja Basílica da Estrela.

Uma área em Lisboa que vale a pena conhecer é o novo Parque das Nações, área que foi reformulada após a ExpoEuropa. Apesar de ser um pouco mais afastado do centro histórico da cidade, o local conta com alguma opções interessantes para os turistas. É lá que está um dos oceanários mais lindos do mundo, o Oceanário de Lisboa. Adoramos os peixes e os tubarões. Há ainda espaços que simulam o habitat de pinguins. Do ladinho, ainda há o shopping center Vasco da Gama, uma boa opção para quem busca umas comprinhas. Há lojas de departamentos e grifes mais badaladas. Porque, afinal, todo mundo merece um pouco de compras.

E assim é essa cidade vibrante, que respira cultura, gastronomia com toque de modernidade e história.