• Redação

O futuro das entregas por drones

Atualizado: Out 9


Em parceria com a Autoridade de Aviação Civil de Singapura (CAAS), a Airbus está dentro do cronograma para testar, no primeiro semestre de 2018, um sistema automatizado de entrega de pacotes usando aeronaves não tripuladas.

O projeto incorporou a SingPost em abril de 2017 como seu parceiro de logística para a entrega de pequenos pacotes de teste via drones autônomos a estações designadas na Universidade Nacional de Singapura Apelidado de Skyways, o projeto incorporou a SingPost em abril de 2017 como seu parceiro de logística para a entrega de pequenos pacotes de teste via drones autônomos a estações designadas no campus da Universidade Nacional de Singapura (NUS). Os pacotes a serem entregues são primeiro carregados automaticamente nos drones em determinadas estações de pacotes com um braço robótico. Os drones decolam e voam de forma autônoma, levando os pacotes até as estações de entrega dentro da universidade, onde são colocados em locais de armazenagem para serem retirados por moradores do campus. Os drones voarão ao longo de corredores aéreos para evitar colisões, enquanto a estação terrestre central monitora continuamente as operações de voo e o tráfego aéreo não tripulado. Esses drones estão longe de ser brinquedos: são sofisticados produtos aeronáuticos de ponta que se baseiam na experiência técnica e de engenharia da Airbus Helicopters em termos de veículos aéreos e também da Airbus Defense and Space em termos de baterias e capacidades de centro de comando, entre outras. A arquitetura de sistemas, desenvolvida e validada pela primeira vez na França, foi finalizada, depois projetada e construída em Singapura. “Teremos cinco ou seis drones voando este ano na fase inicial de testes, que deverá durar vários meses para permitir a coleta de dados e insights relevantes”, explica Leo Jeoh, Diretor do Escritório de Design da Airbus Helicopters e líder do projeto Skyways. Quando perguntado por que o projeto está baseado em Singapura, Jeoh, um antigo engenheiro de testes de voo da Força Aérea de Singapura, responde: “Embora o país já conte com serviços de entrega eficientes, o verdadeiro motivo é que Singapura é um ótimo campo de testes para novas tecnologias e modelos de negócios. O apoio combinado da CAAS e de um governo favorável às inovações cria um ambiente ideal para aperfeiçoar o sistema e implementá-lo mais rapidamente do que em outros locais”. Singapura, bem como muitas das megacidades da Ásia como Jacarta, Bangkok e Manila, sofrem com congestionamentos de trânsito, uma crescente tendência urbana sem qualquer solução à vista. No futuro, um sistema de entrega de pacotes pelo ar poderá salvar vidas, abandonando as ruas para transportar suprimentos médicos por toda a cidade, ou ainda ajudar a desenvolver negócios, facilitando a entrega de produtos aos clientes sem a necessidade de lojas ou caminhões de entrega. Caso seja bem-sucedida, a equipe da Skyways pretende ampliar o escopo da fase inicial de testes para entregar pacotes aos navios ancorados no Porto de Singapura. As iterações posteriores poderiam incluir a entrega de bens de maior valor ou suprimentos médicos em regiões atingidas por desastres, onde as estradas poderão estar intransitáveis. “O desenvolvimento tecnológico está longe de ser o único obstáculo a ser superado para a implantação de um serviço pleno de entregas por drones nas cidades”, afirma Jeoh. Os drones acabarão dividindo o espaço aéreo com aviões e helicópteros de passageiros, veículos militares e outras aeronaves, o que exigirá um sofisticado sistema de gerenciamento de tráfego para evitar colisões.